Alemanha, berço de tradições

por: Sylvia Barreto
1 de maio 2015

Quem nunca ouviu falar da Oktoberfest? Uma das festas mais famosas e copiadas do mundo, são pelo menos 2.000 ao redor do planeta, é uma das mais tradicionais comemorações alemãs que acontece desde 1810 e atrai cerca de 6,3 milhões de turistas por ano. E, por falar em turistas, os costumes e tradições estão entre os dez motivos que mais atraem visitantes ao país, segundo pesquisa do Centro de Turismo Alemão (DZT) ao redor do mundo.

Pensando em expandir o conhecimento sobre suas tradições e costumes e levar os turistas para conhecê-los, em 2015 o DZT irá promover o turismo nas áreas mais tradicionais da Alemanha. E o Viajar é Simples vai te contar sobre os principais, assim você já pode ir fazendo sua listinha de cidades e atrações que irá curtir em sua próxima viagem! Vamos lá?

Mesa farta

Cerveja pura
O alemão gosta mesmo de uma mesa farta, e muita cerveja, claro. Por falar em cerveja, as que são produzidas por lá seguem a Lei Alemã de Pureza da Cerveja, a mais antiga regulamentação de qualidade alimentar ainda vigente no mundo. Ela data de 1516, quando o duque bávaro Guilherme IV decretou que a cerveja só poderia ser fermentada a partir de lúpulo, cevada e água. Ainda hoje isto é requisito para que a bebida esteja dentro do padrão de qualidade alemão. Em todo o país, são 1.400 cervejarias, ou seja, em qualquer lugar da Alemanha vai encontrar a bebida de boa qualidade.

Salsicha: 1500 tipos
Para acompanhar a cerveja, que tal uma salsicha, dos 1500 tipos produzidos na Alemanha, um terá que te agradar, ou vários deles. Em Munique não deixe de provar a tradicional Weisswurst, salsicha branca. Já em Berlim, experimente a Currywurst, uma salsicha com molho de curry. A especialidade tem até um museu exclusivo no destino no qual o visitante pode descobrir de forma interativa esta especialidade e provar diferentes variações da salsicha. Para sentar e saborear a currywurst o estabelecimento mais famoso da cidade na especialidade é o Curry 36, com duas unidades em Berlim.

Adoce a vida
Sobremesa? Que tal provar uma Torta Floresta Negra? Ela deve ser feita com aguardente de cereja e ter frutas da própria Floresta Negra. A quantidade de cerejas não importa, vai do gosto do confeiteiro.  A mais tradicional é feita no Estado de Baden-Württemberg.

Pepinos famosos
Gosta de pepinos? Então não deixe de provar os pepinos em conserva Spreewälder Gurken, cem quilômetros ao sul de Berlim. São conservados em vidros ou diretamente em barris com temperos, mostarda, alho, vinagre ou pimenta.  Durante um passeio de bicicleta nos quase 260 quilômetros da ciclovia do pepino em Brandemburgo, a Gurkenradweg, o visitante pode acompanhar a produção desde a colheita até a embalagem em vidros – e descobrir os sabores das diferentes variedades. Mas nem tudo é revelado: receitas familiares, mantidas rigorosamente em segredo, são a chave para o sabor incomparável.

Peixe para o café da manhã
Se você passar por Hamburgo não pode deixar de ir ao Fischmarkt, que acontece às margens do Elba aos domingos de 06h00 até 09h30. A especialidade do local são os sanduíches de peixe, principalmente, o arenque com pão. Outros peixes e rolinhos de arenque também são vendidos. E há também frutas, legumes e plantas por preços de atacado. Você encontra até coelhos vivos e artigos de brechó. Se não acordar tão cedo ou se quiser esticar o passeio, pode tomar um brunch ao lado da feira em um antigo armazém, é o Fish Auction Hall, que cobra 19,50 euros por uma refeição bem servida e com pratos tradicionais da cidade.

Entre as invenções e o artesanato

Que horas são?
Muitos ícones dos dias de hoje surgiram em séculos passados na Alemanha. É o caso dos encantadores relógios cuco, quem nunca ficou esperando para ver o cuco sair? Apesar de hoje ser reconhecido como uma especialidade da região da Floresta Negra, a primeira referência documentada ao relógio de cuco é de Eleitor Augusto da Saxônia, que teve este objeto por volta de 1630.

Cerca de 150 anos mais tarde, relojoeiros da Floresta Negra produziram o objeto com os componentes acústicos originais que tocam a cada hora. Em meados do século 19, o design característico da casa do sinaleiro se tornou um invólucro comum, assim como os pesos do pêndulo em forma de pinhas. Desde então, o relógio de cuco é reconhecido mundialmente como um típico suvenir alemão. Portanto, se passar pela região da Floresta Negra, não se esqueça de comer sua torta que leva o nome do destino e de comprar um relógio cuco.

Para enfeitar o jardim
No século 19, as famílias ricas decoravam seus jardins com pequenas estátuas de estilo barroco. Para que todos pudessem ter decoração a preços acessíveis, a fábrica de produtos de terracota Gräfenroda apresentou um anão de jardim na Feira de Leipzig em 1884. August Heissner e Philipp Griebel produziram o objeto pela primeira vez em série e até hoje vemos os simpáticos anões pelos jardins de diversos países, inclusive no Brasil. A fábrica dos dois, à beira da floresta da Turíngia é considerada, desde então, o “berço dos anões de jardim”. Nela, os anõezinhos de barbas brancas e boinas vermelhas continuam a ser produzidos, já na quarta geração. Um museu conta toda a história deles.

Um país de contos de fadas
As crianças costumam ouvir tradições alemãs desde cedo, isso porque dezenas de contos de fadas surgiram no país com os Irmãos Grimm. A primeira coletânea data de 1812 e pertence ao patrimônio mundial de documentos da UNESCO. A cidade de Kassel é o berço dos irmãos, quem for para lá depois de maio de 2015 encontrará um grande centro dedicado aos dois, o Grimmwelt. Vale a pena visitar também a casa deles, a Brüder Grimm-Haus, em Steinau.

Outra boa pedida é visitar a região em junho, quando se comemora O Dia de Hassen, quando os turistas podem observar a diversidade de trajes folclóricos tradicionais. Os irmãos Grimm imortalizaram a roupa típica das mulheres solteiras de Schwalm no conto de Chapeuzinho Vermelho.

Árvore de Natal
A Alemanha é muito procurada pelos seus tradicionais mercados natalinos, mas reza a lenda que a árvore de Natal também nasceu por lá. Em 1419, os padeiros da cidade de Freiburg decoraram uma árvore com guloseimas, como biscoitos e bolos. As crianças podiam se servir na árvore, imagina a correria! Até hoje a lenda não foi comprovada, porém, o costume de decorar o pinheirinho da Natal saiu da Alemanha e tomou o mundo. A maior árvore de Natal pode ser admirada todos os anos no Mercado de Natal de Dortmund.

Ursinho de pelúcia
Quem não teve um bichinho de pelúcia na infância? Pois sabe que esse costume começou na Alemanha. Na pequena cidade de Giengen na der Brenz, Margarete e Richard Steiff tinham uma confecção de produtos de feltro e fizeram um elefantinho de pelúcia em 1877. Em 1902, foi lançado um urso do mesmo material com pernas e braços articulados. Nos Estados Unidos o brinquedo fez tanto sucesso que até o presidente da época, Theodore “Teddy” Roosevelt, gostou. Por isso, ele foi batizado de Teddy Bear. Quem quiser saber mais é só passar por Giengen an der Brenz e ir ao Steiff Museum, que conta a história dos bichos de pelúcia.

Café quente
Se você toma seu café ou chá quente da garrafa térmica todos os dias, agradeça ao  técnico de vidro Reinhold Burger, ele inventou o objeto 1903. A invenção de um recipiente que podia manter a temperatura no seu interior sem uso de produtos químicos foi algo revolucionário na época. Para saber mais sobre o utensílio, visite Museumsdorf Baruther Glashütte, em Brandemburgo, uma antiga vila de sopradores de vidro, com quase 300 anos, no local há uma exposição sobre a garrafa térmica e sua história de sucesso que vale a pena ser vista.

Serviço

Informações turísticas Alemanha:
http://www.germany.travel/pt

 

ENVIAR COMENTÁRIO

0 Comentários