Barbados: aprenda inglês no paraíso

por: Sylvia Barreto
7 de Fevereiro 2011

Mar do Caribe com a água azul cristalina, sol brilhando o ano todo e mergulhos no decorrer da tarde. Cenário ideal para as férias perfeitas, certo? Não apenas isso, mas a pequena ilha de Barbados, que tem o inglês como idioma oficial, oferece opções de intercâmbio para aqueles que desejam aprender a língua dos colonizadores britânicos.
O país caribenho tem atraídos mais turistas brasileiros desde que a companhia aérea Gol colocou voos diretos para lá com saídas de São Paulo em junho de 2010. Antes, era necessário fazer escalas em outros países, como os Estados Unidos, para alcançar a ilha do Caribe. Dados do Barbados Tourism Authority (órgão de promoção turística), mostram que, em dezembro de 2009, foram à ilha 504 brasileiros. No mesmo mês ano passado, depois das novas freqüências, esse número subiu para 2.354, aumento de mais de 300%.

Passagens econômicas e entrada de brasileiros sem visto

Se os mais de 2.000 brasileiros que desembarcaram em Barbados para relaxar e curtir as férias em dezembro de 2010, o gaúcho Andrigo Alberto Quadros chegou à ilha em no último novembro com o objetivo de aprimorar o inglês em três semanas de curso. Ele já havia estudado o idioma dois anos e meio no Brasil. Como é executivo de uma empresa multinacional, sentiu a necessidade de ter mais fluência nessa língua. Conciliar as aulas com as atividades proporcionadas pela bela paisagem caribenha foi a ideia de Andrigo. “Não conhecia o Caribe e tinha muita vontade de ir para lá. E na região não tem períodos de frio como outros países de língua inglesa, e, por ser mais próximo ao Brasil, as passagens aéreas têm bons preços”, conta ele.
Andrigo pensou não só clima de temperatura média de 25º C e 3.000 horas de sol por anos, mas também na economia. Além de não ter que pagar taxas de retirada de visto de estudante – cobradas para estudar em países como os Estados Unidos e Canadá, por exemplo –  as passagens para Barbados realmente são mais baratas que para outros países da língua inglesa.
Uma pesquisa rápida na internet em sites de vendas de passagens pode comprovar que chegar até Barbados de avião saindo do Brasil é mais barato que alcançar os países norte-americanos pelo mesmo meio de transporte. Andrigo gastou R$ 1.500 (com taxas) em novembro de 2010 com os bilhetes aéreos da Gol. Ida e volta para o mesmo período em 2011 custa por volta de R$ 1.280 (sem taxas aeroportuárias) se a compra for com antecedência.
Passagens de ida e volta para o mesmo período para São Francisco, na Califórnia, não sai por menos de US$ 1.000 sem as taxas aeroportuárias em sete empresas aéreas pesquisadas pela Viajar é Simples. Já para Toronto, no Canadá, ida e volta sairia por pouco menos de US$ 1.000 apenas se houvesse escala nos EUA. Ou seja, haveria necessidade de visto para dois países (Estados Unidos e Canadá), e mais gastos.

Escolha seu curso

Há apenas uma agência no Brasil que comercializa os cursos em Barbados. É a Shelton Intercâmbio. “Começamos a vender esse produto há três meses e a procura tem sido intensa”, relata Ronaldo Alcantara, diretor da empresa. Para quem acha estranho estudar inglês em uma ilha no meio do Caribe, ele destaca que a região é
cercada por praias de areia branca e tem infraestrutura capaz de atender aos turistas, além de, extensa rede de estradas asfaltadas e sistema de telecomunicações abrangente, incluindo acesso à internet.
Andrigo, porém, não contou com a ajuda de nenhuma agência. Ele mesmo pesquisou e descobriu um centro de idiomas que atendia suas necessidades, o The Codrington Language Centre, localizado em Bridgetown, a capital. “O curso custou US$ 1.050 (50 horas) para três semanas de aulas pela manhã”, conta ele.
A Shelton comercializa os cursos de idiomas do The Codrington Language. Ronaldo explica que quatro semanas de aulas e acomodação no campus do centro de línguas ou em casa de nativos custam aproximadamente US$ 3.300. Andrigo decidiu ficar em um apart hotel e pagou US$ 90 por dia. “Escolhi essa opção para ter mais privacidade, apesar de ser a mais cara”, conta o gaúcho. A escola tem hospedagem que varia de US$ 40 até US$ 80 por dia e por aluno se reservadas diretamente.
O estudante também economizou com transporte dentro da cidade. Ele ressalta que o centro de idiomas ficava a apenas dez minutos de caminhada do local no qual estava hospedado. Se o aluno optar pelas acomodações no campus também não terá que pagar passagens de ônibus. Andrigo costumava pegar o transporte público apenas para ir ao centro de Bridgetown.
Outra opção de curso de inglês na ilha é o Centro de Línguas de Barbados, fundado em 1981. Ele é um departamento da universidade Barbados Community College. Fica em uma área do campus da faculdade e possibilita hospedagem no próprio local ou em casa de família. Os cursos podem ser de verão, disponíveis em julho e agosto, ou semestral, disponíveis de setembro até maio.  Essa escola pede comprovante de estudos prévios do idioma, sendo um ano para verão e três  para os regulares.
O valor mensal do curso de verão no Centro de Línguas de Barbados é de US$ 628 e a acomodação em casa de família sai por US$ 900. O valor médio gasto com transporte e material é de mais US$ 500. Os cursos semestrais têm custo de US$ 2.853 por todos os meses de estudo e acomodação mensal por US$ 600.
Ronaldo, da Shelton Intercâmbio, explica que no The Codrington Language Centre as aulas regulares de inglês podem ser iniciadas em qualquer segunda-feira durante todo o ano. Outra opção que ele oferece é o curso da University of the West Indies – CaveHill Campus. “A escola tem a partir de julho cursos de quatro até 12 semanas para executivos, porém, ainda não passou os valores”, afirma o diretor. Todos os pacotes de intercâmbio da agência podem ser pagos em até 12 vezes no cheque (sujeito à aprovação de crédito) e as passagens são parceladas em até cinco vezes sem juros nos cartões de crédito.
Andrigo acha que o valor que gastou foi bem investido. “Meu inglês melhorou bastante, principalmente a fala, pois perdi o medo de me expressar no idioma”, explica ele. O gaúcho indica Barbados para outras pessoas interessadas em estudar inglês. “É um lugar paradisíaco, com belas praias, boa comida, boa escola e clima quente”, acrescenta. A única ressalva que faz é sobre a segurança, que poderia ser melhor, na opinião dele.

Fora da escola: diversão e passeios

Longe das aulas nem precisa fazer muito esforço para passar o tempo. A ilha de Barbados, de 431 quilômetros quadrados, pode ser pequena no tamanho, mas é rica em praias e belezas naturais. Andrigo conta que levou equipamento de mergulho e praticou o esporte todos os dias. “A água oferecia visibilidade de 20 metros e fauna marinha riquissíma. Diariamente eu encontrava tartarugas e polvos, além dos peixes”, conta ele.
Segundo Andrigo, ele não precisava alugar barcos para mergulhar, havia pontos propícios a 200 metros da areia em algumas praias com profundidade de até 14 metros. O jovem também recomenda fazer um passeio de catamarã pela região que custa por volta de US$ 60 e ir até a vila de pescadores chamada Oistins. Ele diz que no local tem festival de peixe frito nas noites de sexta e sábado e as barracas ficam lotadas tanto de turistas como de locais e todos comem juntos em mesas comunitárias.
Como o país é pequeno e a maior parte dos alimentos é importada, fica um pouco caro comer em Barbados. Andrigo sugere alguns restaurantes que experimentou durante sua estadia e que têm boa comida e são baratos para o padrão da ilha. Um deles é o Tapas Barbados, em Christ Church, com pratos individuais que custam em torno de US$ 35.
Outro local que Andrigo indica é o Mojo, em Christ Church. “Ele é filial de um pub londrino bem famoso, a comida é boa e sempre toca rock”, completa ele.  Sugestão do gaúcho para encontrar não só bons restaurantes mas também danceterias é St. Lawrence Gap, que tem até churrascaria brasileira para os mais saudosos da comida de casa.
Para dançar, os ambientes bajan (barbadianos) e os badalados clubes tocam os ritmos carinbenhos que contagiam. Entre os mais famosos estão o Harbour Lights em Bridgetown, The Ship Inn, The Reggae Lounge, After Dark em Christ Church, e The Boat Yard.  Oistin’s Fish Fry ferve das 18h00 até meia-noite toda sexta-feira, com muita música e embalo.
A Coach House, em St. James, conserva sua reputação por ser a única casa noturna da Costa Oeste a oferecer música ao vivo nas noites de sexta-feira.  Bubba’s Sports Bar & Restaurant, em Christ Church, é o bar mais famoso da ilha, por transmitir a maioria dos eventos esportivos via satélite. O Bert’s Bar, em Christ Church, serve saborosas carnes, hamburguer, cerveja e daiquiris personalizados. Eventos esportivos, notícias e clips musicais são transmitidos via satélite.

Desvende Barbados

A ilha caribenha foi colônia britânica até 1966. A fala de seus habitantes ainda lembra os colonizadores, apenas um pouco mais suave. O país é dividido atualmente em 11 municípios: St. Lucy, St. Peter, St. Andrew, St. James, St. Joseph, St. Thomas, St. John, St. Michael, St. Philip e Christ Church.
Do Porto de Bridgetown pode-se caminhar e encontrar plantações de cana de açúcar e ricos casarões. Uma variedade de luxuosos resorts, charmosas pousadas, pensões e apartamentos para temporada que acomodam qualquer tipo de turista.
Os visitantes poderão se divertir com atividades recreativas como o golfe ou mergulho. Quem estiver por lá em janeiro ainda curtirá o Festival de Jazz de Barbados que acontece todos os anos. Há, ainda o Festival “Crop Over”. Ele marca o término da colheita anual de cana de açúcar e é celebrado em julho com muita música, fantasias e tradição.
Por falar em tradição, uma delas deixada pelos britânicos é a paixão pelo críquete e na primavera acontecem as partidas internacionais. Em 2007, Barbados foi sede das finais da Copa do Mundo de Críquete.
Uma das curiosidades da ilha é que a água é extremamente pura e pode ser bebida da torneira. E, para comer, pratos típicos como o peixe voadro, ou outros como o Cou-Cou  (prato com fubá e quiabo),  Pepperpot  (um cozido apimentado), e Jug-Jug  (uma mistura de milho-Guiné com ervilhas).

Praias à vontade

Pelo fato de Barbados entre o Oceano Atlântico e o Mar do Caribe, a sua linha costeira é bastante diversificada, tendo desde praias calmas à falésias acidentadas. O lado ocidental de Barbados, onde muitos hotéis estão localizados, propicia algumas das mais relaxantes praias para tomar sol e banho de mar, dentre essas podemos citar Mullins Beach, Church Point e Paynes Bay.  As praias da Costa Leste, incluindo Bathsheba/Cattlewash, são bem conhecidas dos surfistas e iatistas experientes. As praias da Costa Sul, Carlisle Bay,
Accra Beach, Sandy Beach, Casuarina Beach  e  Silver Sands   são boas para a prática de body surfing com suas ondas de tamanho médio. Enquanto as praias de Needham’s Point e Dover Beach estão entre as melhores para o banho de mar e a prática de mergulho com snorkel.
Vá também até Bathsheba na Costa Leste da ilha, com quilômetros de praias desertas que se estendem pelos trechos mais acidentados, montanhosos e belos da costa. Ideal para o surfe. Crane Beach,com suas falésias, dunas, areias rosadas e água cristalina é a preferida de muitos turistas, mas o banho de mar não é aconselhado por causas das fortes correntezas.

Se sobrar dinheiro, faça compras!

Broad Street é o centro comercial de Bridgetown. Lá os visitantes podem fazer suas compras “duty-free”, ou seja, sem pagar impostos, basta apresentar o passaporte e a passagem aérea de retorno. Dentre as lojas estão: Cave Shepherd, a maior loja de departamento da ilha, Harrison’s, o tesouro da Broad Street.

Maravilhas da Natureza

Uma das atrações mais famosas de Barbados é a Caverna de Harrison. Um magnífico sistema de cavernas subterrâneas com estalactites, estalagmites, cachoeiras, piscinas e ainda “chuvas de caverna.” A Caverna de Harrison está localizada em St. Thomas e oferece passeios com guias.
Em Barbados também podemos encontrar flores tropicais espetaculares, mas o Andromeda Gardens, a Flower Forest e o Orchid World reuniram o que há de mais belo na rica e florida botânica da Ilha. Esses jardins tropicais abrem de 09h00 às 17h00, e são perfeitos  para uma prazerosa caminhada.
Caminhe por  Welchman Hall Gully, esse parque nacional  conta com uma incrível vegetação e trilhas naturais.  Ele é também é o paraíso para os admiradores de pássaros. Visite pela manhã ou à tarde para conhecer os barulhentos e vigorosos macacos que se mutiplicam pelo local.
Observar a vista da Costa Leste do topo da montanha Cherry Tree Hill é sensacional. O acesso mais fácil é pelo oeste – suba a montanha até o topo e simplesmente “respire e sinta” a paisagem. Outra opção para uma bela paisagem, desta vez na parte mais Sul da ilha: suba até o topo do mirante Gun Hill Signal Station. Se acomode nas pedras próximas a Harrismith ou Bottom Bay e apenas aprecie a pura beleza rochosa da Costa Sudeste de Barbados. Você não vai encontrar outra alma viva por quilômetros ao seu redor.

O Submarino Atlantis

Este submarino submerge até 150 pés de profundidade, explorando os destroços de navios afundados e recifes do Caribe. A Expedição Atlantis é um mergulho que acontece durante o dia e dura cerca de 90 minutos, dando aos passageiros a oportunidade de ver lindos peixes tropicais, tartarugas marinhas e vegetação submarina.

Importante saber antes de ir
Além de ir para Barbados com o passaporte válido por todo tempo que estará na ilha, é preciso tomar previamente no Brasil a vacina contra a febre amarela. Ela é gratuita nos postos de saúde brasileiros e deve ser tomada com pelo menos dez dias de antecedência à chegada ao país. Quem tomou a vacina há menos de 10 anos não precisa tomá-la outra vez. Todos os visitantes devem levar o Cartão Nacional de Vacina com o comprovante de que está imunizado.

Serviço

Barbados
Capital: Bridgetown
Moeda: O dólar de Barbados equivale ao dólar dos Estados Unidos na medida de 2 por 1. (BDS $2 por $US1.00).  A maioria dos estabelecimentos comerciais aceita tanto a moeda de Barbados quanto a moeda americana.
Electricidade: 110 volts/50 ciclos (hotéis tem adaptadores/transformadores).
Transporte na Ilha:  Aluguel de carros, serviço de ônibus, bicicletas e “scooters” estão disponíveis para facilitar na locomoção e exploração da ilha. Excursões com táxis também estão disponíveis. Para dirigir na ilha é preciso ter uma permissão (essencial para quem vai alugar carro) que custa somente BDF$10 e pode ser conseguida em
qualquer posto policial, através da locadora de veículos ou no aeroporto, se  o carro  estiver  sendo  alugado de lá.  Para obter a permissão é preciso a apresentação da sua carteira de motorista.
Bancos: Os bancos abrem das 09h00 às 15h00 de segunda a quinta-feira, e na sexta-feira  das 09h00 às 16h00.  O Banco Nacional de Barbados, localizado no Aeroporto Internacional Sir Grantley Adams, fica aberto de 08h00 até a partida ou chegada do ultimo avião, sete dias da semana. Há também um grande número de caixas automáticos
por toda Ilha.

Informações turísticas

Tourism Barbados Authority
www.visitebarbados.com

Intercâmbio

Shelton Intercâmbio
www.shelton.com.br e (11) 9855 5313 – São Paulo / (19) 3119 8811 Campinas /(11) 4521 0625 – Jundiaí

The Codrington Language Centre
www.codringtonlanguagecentre.com

Centro de Línguas de Barbados – Barbados Community College (BCC)
www.bcc.edu.bb

University of the West Indies – CaveHill Campus
www.cavehill.uwi.edu

Como chegar

Gol

A companhia aérea tem voos diretos para o país com saída de São Paulo. Informações: www.voegol.com.br

ENVIAR COMENTÁRIO

0 Comentários